DESTAQUE

Sintepav BA divulga resultado do sorteio das 10 vagas para o 6º Seminário de Segurança e Saúde no Trabalho

15 de setembro de 2014
Fonte: Assessoria de Comunicação Sintepav Bahia

 

Capa Face_6ssst

Os participantes do sorteio concorreram as vagas através da Fan Page do evento.

O Departamento de Segurança e Saúde do Trabalho (DSST) e o Departamento de Comunicação do Sintepav BA divulgam nesta segunda-feira (15) o sorteio das dez vagas para participação no 6º Seminário de Segurança e Saúde no Trabalho – Indústria da Construção Pesada e Montagens Indústrias, que irá ocorrer nos próximos dias 18 e 19 de setembro no Hotel Pestana em Salvador. Os participantes do sorteio concorreram as vagas através da Fan Page do evento.

O sorteio teve o objetivo de possibilitar a participação de estudantes e demais profissionais da área de Segurança e Saúde do Trabalho (SST) no evento que reunirá profissionais, sindicalistas, estudiosos do tema, além de importantes instituições, como o Ministério Público do Trabalho, INSS, SRTE, SETRE, TRT, SESAB, Fundacentro, Forumat, Sinicon, UFBA, Força Sindical e Sinduscon.

Durante o primeiro dia do evento serão debatidos os temas: “Espaços Confinados: Como Proceder de Forma Segura!”, “Medidas de Segurança para Trabalho em Altura”, “A Importância da Identificação e Prevenção dos Riscos Ambientais”, “A Flexibilização da Jornada de Trabalho e seus Reflexos na Saúde do Trabalhador (a)” e o “Desgaste Mental do Trabalhador e os Transtornos Mentais no Trabalho Precarizado”. No segundo dia do evento, serão abordados os temas “Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário – NTEP/Fator Acidentário de Prevenção – FAP”, “Assedio Moral e Sexual nas Relações de Trabalho”, “Ações do TEM nas Obras da Construção Pesada da Bahia” e a “A Cipa como Espaço de Luta por Saúde e Segurança”.

Confira a lista dos sorteados:

1. Edna Vieira
2. Jusneide Nascimento
3. Kleber Gomes da Silva
4. Samantha Guimarães
5. Alex Fabio Teles
6. Ana Alice Lyra
7. Ana Santana
8. Sara Magno de Araújo
9. Lisa Silva
10. Abson Luis Dos Santos Silva


NOTÍCIAS

Trabalhadores têm dificuldade de se desligar da empresa durante as férias

16 de setembro de 2014
Fonte: Fantástico

Segundo pesquisa em São Paulo e Porto Alegre, trabalhadores têm medo de tirar férias porque perder decisões importantes na empresa.

 

trabalhadoresA gente vive e trabalha conectado o tempo todo. É e-mail, tablete, celular, redes sociais. E muitas pessoas não se desligam nem na hora em que deveriam descansar

O consultor Max Gehringer foi bater um papo com esse pessoal que não se desconecta um minuto sequer nem nas férias.

Um olho na água de coco, outro no celular. A gaúcha Ana Paula está de férias em Fortaleza, mas se desligar do trabalho que é bom.

“A gente fica sempre em contato com e-mail. A gente está sempre dando uma olhadinha para ficar por dentro do que está acontecendo lá”, diz Ana Paula.

Do banco até que o Milton se desconecta, mas da carreira paralela de ator.

“A questão toda é se desligar daquilo que te prende. Você sai de férias. Você tem que estar aqui e lá, aqui e lá”, conta Milton.

Qual a importância de tirar férias? Depende. Para quem é empregado, as férias são essenciais para recuperar a sanidade mental depois de 11 meses de trabalho duro. Para quem é empresário, a situação é um pouco diferente.

O Fantástico esteve com a Fernanda, funcionária, e o Jaime, empresário. Fernanda era infeliz porque trabalhava em uma empresa que destruiu as férias dela. “Minha família se programou para tirar férias. Fui conversar com a minha gestora: não, dezembro você não pode tirar férias”, conta Fernanda.

Max Gehringer: Mas continuou trabalhando?
Fernanda: Meus familiares curtindo o réveillon de Salvador, e eu infelizmente tive que ficar. Eu comecei a ter problemas sérios, de não querer trabalhar, acordar cedo, chorando para ir trabalhar, ter problemas interpessoais.

As férias são um escape. Agora, Jaime por que que empresário não escapa?

Jaime: Porque se preocupa em organizar, tomar conta, gerenciar.

Max Gehringer: Você tem o salão há quanto tempo?
Jaime: 23 anos.
Max Gehringer: Quantas vezes você tirou férias durante esses 23 anos?
Jaime: Então, férias, férias, 98, fui pro Caribe fiquei nove dias. Consegui no mesmo ano ir para Europa fazer um curso.

Max Gehringer: Em algum momento do seu dia, da sua semana você sente falta de férias?
Jaime: Sim, hoje sim. Até tenho vontade. Estou tentando me programa. Mas nada de ‘ah, estou muito estressado’, não.

O Jaime não é o único. Olha só o que trabalhadores de São Paulo e de Porto Alegre disseram em uma pesquisa sobre férias:

53% têm medo de tirar férias porque podem perder decisões importantes na empresa. 24% porque temem demissões. Além disso, 17% acham difícil se afastar do trabalho.

Existem inúmeros fatores que férias podem ser um estresse: desde a falta de atividades prazerosas durante as férias, ou a dificuldade de tirar férias propriamente dita, no sentido de que você fica de férias, mas continua trabalhando”, destaca a psicóloga especialista em estresse Sâmia Simurro -.

E sabe o que é interessante? 67% dos trabalhadores disseram que o bem-estar e o relaxamento acabam já na primeira semana quando voltam das férias.

“Em média um profissional vai levar 10 dias para entrar no ritmo, no espírito de férias. Ele tem um pleno gozo das férias em média de 10 dias. E nos últimos 10 dias muitos profissionais começam a antecipar como será o retorno. Então se a pessoa puder tirar férias mais curtas e mais frequentes, ela diminui esse período de adaptação e termina se beneficiando por mais tempo”, diz Ana Maria Rossi, presidente do Inst.Stress Management Associations Brasil.

Max Gehringer: Mércia, Dagoberto, além de casal, uma sociedade. São sócios. Gostaria de perguntar se nesses 28 anos vocês tiraram o que a gente chama de férias de gente normal?

Mércia: Não, não tiramos não.

Dagoberto:  A gente pega, tira dez dias de férias, entre aspas, só que nessa tentativa de férias a gente tem que levar praticamente todo o escritório.Dois laptops, vai a calculadora, vai a pasta dos clientes, celular.

Dagoberto: Inclusive alguns anos atrás o meu filho patrocinou um cruzeiro. E ele ficou indignado porque a gente passou mais tempo trabalhando do que fazendo outra coisa de lazer. Na ocasião a gente teve que registrar algumas declarações de importação pela internet, que, além de trabalhoso é muito custoso, porque a internet no navio é muito cara. Custou mais cara a internet do que a gente ganhou nos trabalhos que fez.

Max Gehringer: Durante todo esse tempo vocês não tiveram nenhuma recaída de dizer: ah, que bom se a gente pudesse ter tirado férias, não tem tremedeira, não tem tique nervoso, estresse, nada né?
Mércia: Não, não, Aproveita-se o que é possível.

Max Gehringer: Agradecer pelo depoimento, lhes desejar mais 20 e tantos anos de empresa, 60 e tantos anos de casamento, muitas férias, da maneira como vocês acharem melhor tirá-las.